Início » Meu-Android » Caminhar com os olhos vidrados no celular poderá resultar em multas

Caminhar com os olhos vidrados no celular poderá resultar em multas

Um novo projeto de lei foi assinado na última quinta-feira pelo presidente da Câmara da cidade de Honolulu, no qual a partir de 25 de outubro, pedestres que caminham nas ruas da cidade com seu Smartphone ou outro dispositivo móvel, podem ser multados entre US $ 15 e US $ 35 pela primeira violação. Seguida de adicionais entre US $ 75 e US $ 99.

A ideia é reduzir o número de incidentes causados por pedestres que ficam completamente ligados em seus dispositivos e esquecem do mundo ao seu redor. O conselheiro Brandon Elefante, que apresentou a medida, diz que as multas são relativamente baixas e de fato são. Mas o intuito disso serve apenas como forma de lembrete para que os pedestres sejam mais conscientes sobre tais atitudes e não para puni-los.

Surpreendentemente, a ação teve apoio de alunos do ensino médio da cidade. Mas além disso, deve se ter em mente que os motoristas que conversam e enviam mensagens de texto ao volante também deveriam “receber essa atenção” diz um dos alunos. Taylor Sayles, um dos estudantes na Maryknoll High School, disse: “Minha geração e outras gerações realmente não entendem o quão importante é prestar atenção ao seu redor enquanto se está atravessando a rua ou dirigindo“.

Se isso for bem sucedido, haverá uma grande redução no número de pedestres feridos relacionados a distrações. Contudo, espera-se que outros estados tentem por em vigor leis similares.

Fonte | Via

Sobre Uanderson Conceição

CEO da marca Meu-smartphone e editor chefe deste site. Youtuber, adora praticar Downhill Mountain Bike, entusiasta da natureza e acredita soberanamente em Deus.
  • Vladimir Machado Malaquias

    Honolulu? É por isso que cada vez entro menos nesse blog, só tem título sensacionalista caça-cliques!

    • Brancaleone

      E qual o problema? Isso iria acontecer mais cedo ou mais tarde em algum lugar do mundo. E dessa vez foi nos EUA.

      Logo a “moda” pegará em cidades maiores lá, e depois, como sempre, copiaremos.