Esquisito e de difícil encaixe, Airpods ainda não refletem o futuro

Em setembro deste ano a chegada de um dispositivo abalou (para o bem e para o mal) as opiniões ao redor do globo, e eu não estou falando do novo iPhone. Os novos Airpods chegaram de mãos dadas com as apostas da Apple para o futuro, onde foi posta à mesa a aposta de “Wireless é o futuro”, profetizando o fim dos cabos e o inicio de uma era onde a entrada de 3.5mm milímetros para fones de ouvidos.Assim como um cientista louco, para provar o seu ponto de vista a maça colocou seus novos fones a venda – mesmo depois de diversos e diversos atrasos – nos permitindo, em enfim ver do que se trata a “criação” da empresa.

É preciso entender: para se convencer as pessoas, você tem que ter uma proposta solida. Isso não é o que tem sido mostrado por nenhuma opção totalmente wireless para os fones de ouvido até o momento, e a invenção da Apple não fica de fora. Não dá para chamar de evolução a troca de dispositivos que funcionam bem, para outros que funcionam “quase-tão-bem”, trazendo a novidade apenas no ponto menos problemático para você, e os Airpods ainda não chegaram perto de deixara para nos fazer esquecer de todo o conforto dos nossos companheiros e seus fios.

Não, a Apple não errou completamente em fazer criar um fone bluetooth. Segundo a analise de Sean O’Kane do conceituado site The Verge, existem diversos pontos positivos a se apontar no device. Ainda que custem salgados $159 (ou 1.399,00 em nossa realidade), os acessórios retribuem o seu comprador com uma experiência sólida, isso caso você compare com as outras soluções do gênero. Graças ao bastante interessante chip W1 que vem embarcado no acessório, você irá se deparar com melhorias interessantes, tais como uma qualidade de áudio significativamente mais clara e profunda que a encontrada nos famigerados earpods, assim como uma excepcional estabilidade de conexão bluetooth com o auxilio dos cases, boa sincronia entre os pares e uma capacidade de bateria bastante interessante. Mas como nem tudo são flores, alguns pequenos empecilhos acabam por afetar todo o conjunto.

Os problemas

Como é de se esperar da Apple, ela sabe o que você quer e precisa, ou pelo menos é o que ela pensa. Desta forma, não existem diferentes tamanhos para os Airpods, borrachinhas intercambiáveis de múltiplas dimensões ou qualquer forma de ajuste, mas somente um tamanho único, que a empresa supõe ser o mais próximo de algo universal. Mas como todos nos sabemos, sempre existe um fone que encaixa melhor em nossos ouvidos que outros não é mesmo? bom, imagina comprar um fone deste valor e ficar “um pouco folgado”. Contudo, talvez o maior problema nesta questão do tamanho fique pela questão da gravidade: caso um acessório não encaixe bem na sua orelha, ele tende a cair, e sem cabos para segura-lo, bem…

A empresa afirma que existe uma parcela bem pequena de pessoas das quais os fones não se adaptam, que não é suficiente para faze-la alterar o seu design. Ainda assim, muitos dos reviewers afirmam que não é tão difícil assim derrubar os fones enquanto você faz movimentos bruscos com o seu corpo ou vira a cabeça muito rapidamente. Caminhar com os fones também não é muito recomendado se ele não se encaixa bem aos seus ouvidos, já que o movimento corporal constante fará com que os fones precisem ser constantemente reajustados em sua orelha para evitar um salto livre.

Se perder uma peça que custa nada menos $69 que não é um problema para você, talvez a questão de ter que recarregar todos os dias seja. Ainda assim, caso você seja um consumidor comum de áudio, isto não chegará a ser nem de longe um problema. Com 1 ou 2 horas de reprodução você perderá cerca de 20% da bateria do dispositivo, o que leva cerca de 10 a 15 minutos para ser totalmente recarregado pelo seu case portátil, que promete mais 24 horas de carga adicionadas as 5 horas individuais dos fones. Ainda assim, com opções que por si levam mais de 48 horas em funcionamento, é um pouco complicado para o hard user que não tira os fones em nenhum momento ter mais um dispositivo para recarregar, ainda que isso atinja uma pequena parcela dos usuários.

Além disso, você deve se pegar um pouco decepcionado caso costume usar os comandos presentes nos earpods. Por não possuir um local para botões, você poderá somente configurar um duplo toque para play/pouse ou para chamar a Siri. Você ainda pode usar ter as duas funções ao mesmo tempo, já que ao retirar um dos fones automaticamente a música é pausada, mas nada além disso será possível sem o seu smartphone, como aumentar volume ou passar a música. Falando na assistente virtual, temos o motivo do porque das grandes hastes dos fones: microfones. Por mais que eles funcionem bem para interagir com ela ou em uma ligação, a limitada inteligência da assistente com conversas continuas o fará se irritar toda vez que ela não entender a sua pronuncia ou deixar para uma busca na web no seu dispositivo.

Futuro? 

Não dá para negar que os novos Airpods da Apple são aparelhos interessantes, mas ainda não dá para crer em um futuro brilhante sem fios o tomando como exemplo. O sonhos de um mundo Wireless da Apple pode ser algo concreto em alguns anos, mas ainda existe um grande trabalho de aprimoramento e adaptação, algo que a própria empresa assume ao ainda embarcar nativamente um fone com fios na caixa dos seus dispositivos. Se você está disposto a pagar este tanto e ajudar a Apple a construir este sonho para os seus dispositivos, você irá adquirir um belo aparelho, mas que provavelmente não vá te oferecer toda o conforto e praticidade que um modelo cabeado pode nos dias de hoje. Só recomendo que experimente primeiro em qualquer loja da Apple para ter certeza que suas orelhas fazem parte do “padrão global” da maça.

Fonte.

Sobre André Portella

Estudante de TI, viciado em música, adorador de tecnologia e games.