4 motivos que provam que o Moto G4 Plus é mais vantajoso que o Moto G5

A linha de smartphones Moto vem ganhando cada vez mais espaço nos mercados emergentes, e se isso deve-se principalmente ao sucesso da família G, que desde a restruturação da companhia, surge como um diferencial entre os dispositivos intermediários. Ainda assim, é preciso concordar que dentre as últimas 5 gerações, a evolução do produto não foi um dos grandes destaques.

Enquanto em alguns casos a atualização trouxe apenas algumas mudanças incrementais e visuais, em outros houve até mesmo a retirada de recursos, como o áudio estéreo abandonado deste o Moto G 2014. Indo um pouco além, o lançamento do novo Moto G5 se torna bastante curioso para os fãs da marca, visto que, de fato, não parece que estamos de frente a evolução. Visto que o Moto G4 Plus, como o modelo mais parrudo do ano passado, encontra-se na mesma faixa do Moto G5 padrão, existem nada menos que 4 motivos a serem considerados antes de apostar a sua grana na novidade

1. Sistema operacional + Interface de usuário

Uma das principais características que deram força ao portfólio da Motorola nesses últimos anos foi o seu sistema operacional, visto que trata-se de uma das poucas companhias que não modificam drasticamente o Android concebido pela Google. Contudo, isso tem mudado a cada versão, e principalmente o novo Moto G5 oferece mais gestos, widgets e atalhos “extras”. Isso fica bem claro ao ligarmos os aparelhos pela primeira vez, já que foi adicionado um launcher próprio a novidade, enquanto os antigos aparelhos da linha contavam com o Google Now Launcher como padrão – no qual é mais básico.

2. Processador + Desempenho

Em uma decisão curiosa, o Moto G5 em sua versão mais simples foi posicionado de forma a atualizar a proposta oferecida pelo Moto G4 Play. Isto o coloca em desvantagem ao seu antecessor, visto que até mesmo a versão Plus do Moto G4 encontra-se no mesmo preço, mesmo possuindo uma tela maior e melhor (5.5 polegadas, em resolução Full HD) e um processador mais potente (Snapdragon 617).

3. Câmera + Imagens

Outro ponto em que o modelo do ano passado se destaca é a sua câmera. Mesmo contando com um sensor atualizado, os resultados práticos foram o suficiente para demonstrar que as imagens capturadas pelo Moto G5 não se mostraram tão boas quanto as do antecessor. Se colocarmos em números, aparentemente os 3 megapixels a mais fizeram diferença, principalmente complementadas por um foco automático a laser e flash dual-LED, ausente no G5.

4. Display + resolução

Um dos maiores downgrades apontados pelos consumidores ao Moto G5 foi a redução da sua tela. Sem explicação lógica alguma, a Motorola reduziu para 5 polegadas, mesmo mantendo a alta resolução Full HD. Isto resultou em um aparelho ainda mais gordinho e com grandes bordas, o que não agradou a todos. De quebra, a sua bateria ainda diminui um pouco, com agora 2800 mAh contra 3.000mAh do antecessor.

Sobre André Portella

Estudante de TI, viciado em música, adorador de tecnologia e games.