5 celulares da Motorola que foram os piores de todos os tempos

Posições dianteira no mercado de smartphones sempre foi altamente disputada, uma vez que reformulações do modelo praticado sempre apresentaram tendência a favorecer alguns competidores ao passo em que prejudicava outros. Isto fica claro ao notar que muitas das maiores concorrentes da época dos “dumbphones” não se saíram tão bem assim na transição para os dispositivos inteligentes, levando um certo tempo para que algumas pudessem recuperar postos relevantes, enquanto outras nem mesmo voltaram a se destacar.

No caso da Motorola, o processo não ocorreu de modo tão simplificado. A americana que outrora brigava pelo topo com populares e a confiança do pioneirismo, teve grandes dificuldades para emplacar modelos realmente competentes e livrar-se do fantasma do “Android personalizado e carregado”. Contudo, conheça agora alguns do lançamentos não tão bem sucedidos da marca:

1. Motorola CLIQ Dext

Como falar dos problemas iniciais da Motorola em lidar com interfaces modificadas do Android de melhor forma que citando o seu primeiro dispositivo no mercado Android? o CLIQ foi a primeira oportunidade para que os consumidores experimentassem o amargo sabor da MotoBLUR.

Lenta, bugada e com design questionável, seriam motivos suficientes para este modelo estar nessa lista se não fosse também o seu corpo minusculo e nada confortável.

2. Motorola Droid Bionic

Munido do que se acredita ser uma das piores alterações lançadas para o robozinho, o Droid Bionic era repleto de travamentos e encerramentos forçados, isso sem por em cheque a câmera extremamente lenta até mesmo para a época.

O modelo já começou bem mal: anunciado durante a CES 2011, o smartphone só apareceu nas prateleiras 8 meses depois.

3. Moto Rockr E1

Com o sucesso do iPod em 2005, a proposta de um dispositivo inteligente especialmente dedicado a reprodução de músicas parecia mais interessante que nunca. Ao tentar seguir a onda de sucesso, em uma rara parceria entre a Apple e a Motorola, foi apresentado o conhecido como “iTunes Phone“, Motorola Rockr E1.

Diferente do que a empresa queria vender, não oferecia grandes possibilidades para os amantes de músicas, uma vez que era capaz de comportar apenas 100 músicas, possibilitadas graças a um árduo processo de transferência, visto que o modelo suportava apenas o arcaico (até para a época) USB 1.1.

4. Motorola Aura R1

Não é de hoje que a estrategia de desenvolver designs “inovadores” se mostra interessante para os desenvolvedores de celulares, assim também as tentativas falhas não são tão recentes.

Decisões de design questionáveis podem ser notadas no passado ao observarmos o lançamento do Aura R1, que tinha um display totalmente redondo em uma época em que os maiores atrativos dos dispositivos da categoria eram capturar fotos e navegar na internet. Caso você não tenha notado, ambas atividades pedem por displays maiores e preferencialmente retangulares. Mas esse smartphone contrariava tudo isso e o resultado você já sabe.

5. Motorola Flip Out

Se você acha que o pior que a Motorola poderia produzir era um dispositivo com tela redonda, se enganou. O Flip Out foi uma tentativa da companhia em oferecer uma proposta mais interessante para a utilização dos teclados QWERTY, com uma tela quadrada que poderia ser disposta de modo a se assemelhar ao monitor de computador.

Contudo, a ideia não foi muito bem aceita, seja pela baixa ergonomia ou pelo fato de que o mercado estivesse em gradual processo de aceitação das telas touch.

Ladeira abaixo?

As mudanças de mercado certamente pavimentaram um caminho complicado para a Motorola, mas não impediu que a mesma obtivesse êxito anos depois.

Mesmo tendo um péssimo começo no mercado Android, hoje a empresa figura como uma das marcas mais relevantes em grandes mercados mundo a fora, ao passo em que algumas outras companhias seguiram o caminho inverso.

Qual das demais marcas você gostaria de ver por aqui? comente abaixo!

Sobre André Portella

Estudante de TI, viciado em música, adorador de tecnologia e games.