Facebook deixou dados pessoais de usuários serem usados por terceiros e ainda pode ter ajudado Donald Trump nas eleições com isso

O CEO  do Facebook, Mark Zuckerberg, quebrou o silêncio após ter sido falado na mídia a notícia de que uma empresa ligada a campanha política de Donald Trump teria conseguido atingir 50 milhões de usuários do Facebook, obtendo acesso aos seus perfis sem permissão.

A equipe negou ter liberado qualquer tipo de acesso e que os únicos dados compartilhados seriam apenas para dados de pesquisa para a Universidade de Cambridge, onde teria disponibilizado dados de um professor russo-americano. O CEO da Universidade, Alexandrer Nix, foi suspenso após ser capturado por uma câmera escondida, dizendo aos repórteres disfarçados como ele poderia prejudicar a reputação dos políticos utilizando truques sujos e ainda afirmou ter sido responsável pela vitória de Trump na eleição presidencial dos EUA em 2016.

Em um pronunciamento recentemente, Zuckerberg admitiu que o Facebook cometeu erros ao repassar dados confidenciais, mesmo que a princípio fosse para pesquisas.  Ele apresentou alguns planos para certificar de que o Facebook não irá de forma alguma disponibilizar dados pessoais de nenhum assinante.

O primeiro passo será o lançamento de uma atualização, que checará a todos os meios de obtém acesso ao Facebook, tornando-os restritos a obtenção de nome, endereço de e-mail e foto do perfil da pessoa. A companhia também falou que será lançada uma ferramenta que permitirá os usuários ver quais aplicativos podem acessar seus dados, tudo explicitamente, podendo assim bloquear ou não o acesso dos mesmos.

“Temos a responsabilidade de proteger seus dados e, se não pudermos, não merecemos atendê-lo. Estamos trabalhando para entender exatamente o que aconteceu e como garantir que isso não aconteça novamente. A novidade é que as ações mais importantes para evitar que isso aconteça novamente já foi aplicada anos atrás. Mas também cometemos erros, há mais a ser feito e precisamos intensificar isso ”.

“Isso foi uma quebra de confiança entre Kogan, Cambridge Analytica e Facebook. Mas foi também uma quebra de confiança entre o Facebook e as pessoas que compartilham seus dados conosco e esperam que nós protejamos isso. Precisamos consertar isso.” – Mark Zuckerberg, CEO, Facebook

O Facebook ainda está sendo investigado pela FTC por uma possível violação do decreto de 2011 assinado pelo site. O Decreto afirmava que os usuários do Facebook teriam que antes permitir qualquer compartilhamento de informações pessoais. A empresa supostamente já sabia da utilização dos dados pela Cabridge Analytica, porém não bloqueou e nem mesmo os notificou.

Você acha mesmo que o Facebook pode ter ajudado Donald Trump a ganhar as Eleições? Deixe-nos saber mais através dos comentários…

Via

Sobre Uanderson Conceição

Chief executive officer (CEO) na empresa Meu-Smartphone. Youtuber, adora praticar Downhill Mountain Bike, entusiasta da natureza e acredita soberanamente em Deus.