No Android O, drivers gráficos dos smartphones deverão ser atualizados via Play Store, entenda!

Ao fim de por ordem na casa novamente, a Google vem trabalhando para que a nova versão do seu sistema operacional móvel seja capaz de minimizar um dos seus maiores problemas: a má distribuição de atualizações. Através do Projeto Treble, a gigante das buscas planeja adotar uma estrutura modular ao código do Android, separando-o em camadas que distinguam as adições do sistema das modificações das fabricantes. Deste modo, o Google I/O deu indícios de que o projeto deverá funcionará de forma ainda mais pratica do que o esperado.

Em decorrência ao grande evento da companhia, foi citado a possibilidade do Android O ser capaz de atualizar drivers de vídeo diretamente pela Play Store. O tema foi levantado durante o Android Fireside Chat, realizado ontem, onde diversos desenvolvedores presentes puderam fazer perguntas aos engenheiros da Google. Em resposta a uma pergunta, Romain Guy afirmou: “É algo que minha equipe fez, eu deveria ter pensado sobre isso. Agora, no Android O, teremos a capacidade de atualizar os drivers gráficos através da Play Store.

Uma vez que não será mais preciso depender da boa vontade das fabricantes, com uma camada do OS separada de forma modular do seu total, será possível para a Google distribuir atualizações que afetem drivers e binários do sistema, seja através de um update convencional ou uma atualização via Play Store. Visto que o processo envolve uma complexa engenharia de software, a funcionalidade não estará disponível para os aparelhos que atualizarem para a versão, sendo exclusivas para os aparelhos que saírem de fábrica com o Android O ou superior.

É interessante notar que estamos caminhando para um formato altamente similar ao que é utilizado nos computadores atuais, onde as atualizações de software são altamente modulares e os drivers e arquivos de compatibilidade podem ser adicionados de forma independente. Ainda não sabemos se a disponibilização dos drivers serão responsabilidade da fabricantes de chipsets (como a Qualcomm e Mediatek), da Google ou das OEM’s.

Fonte.

Sobre André Portella

Estudante de TI, viciado em música, adorador de tecnologia e games.