Nokia 6820: O celular “Transformer” – Nostalgia

Se você acompanha o canal, principalmente os vídeos nostálgicos, lembra de todos os modelos exóticos que a Nokia já lançou, do simples ao mais sofisticado. O Nokia 6820 não é apenas um celular básico, mas sim um “transformer”, que ao abrir se transforma em um celular ainda mais completo.

Para quem gostava de mandar mensagem, o 6820 era a pedida perfeita e para agradar a essa galera que adorava SMS, a Nokia precisava de uma solução de design diferenciada.

Colar um teclado QWERTY dentro de um celular poderia deixá-lo grande, e a solução foi fazer um aparelho com flip superior e um teclado escondido. Assim nasceu o 6820 e sua fama de “transformer” rende até os dias atuais.

O desenho do 6820, nas laterais não vinham com nenhum botão de volume ou de seleção, mas a Nokia procurava compensar com acesso a essas funções no teclado.

Por ser completo, ele possuía até faixa numérica na parte superior, além de botões de acesso as funções do aparelho. Interessante a parte do “Ç” para os mais diferentes tipos de mercado. Era possível até mesmo recusar e atender ligações pelo teclado embutido.

Apesar de aparentar ser bem completo, ele não era um smartphone por não embarcar o Symbian S60 para funções de multitarefas. Nos Estados Unidos por exemplo, o 6820 tinha suporte ao BlackBerry Messenger, um serviço de mensagens similar ao WhatsApp, só que da própria BlackBerry.

Trazia também suporte a apps Java e você podia instalar diversos jogos e aplicativos. Para navegar na internet, a rede EDGE era o mais moderno tipo de rede que equipado no aparelho, com velocidades de até 256KBPS (muito lendo).

O display possui resolução de apenas 128x 128 Pixels e apenas 4 mil cores. Ele recebia fotos e vídeos por meio de MMS, que funcionava como os mensageiros de hoje em dia para enviar arquivos, além de enviar também notas de voz, mas tudo dependia de se pagar um valor para as operadoras.

O interessante é que ele podia enviar vários arquivos por vez. Possuía conectividade via Bluetooth e infravermelho, onde era possível trocar arquivos de mídia com seus amigos. A câmera traseira era apenas VGA e a qualidade era razoável como seus outros celulares da época, quebrava um galho na hora de gravar vídeos e ajudava os flagrantes em fotos na hora que se precisava.

O Nokia 6820 era um celular memorável, tinha um design diferenciado, compacto e excelente para quem gostava muito de digitar. Tudo isso aliado a resistência da marca e toda sua história de inovações. O 6820 chegou ao Brasil com a operadora Claro e custava em media R$1099,00 .

Sobre Kennedy Muniz