Nokia 7200: Quando beleza e praticidade se uniam – nostalgia

A partir do ano 2000 a Nokia já tinha sua fama de produtos resistentes e duráveis comprovados entre seus usuários. Mas claro, toda essa fama tinha um preço, os celulares eram de certa forma grandes, grossos e colocá-lo no bolso não era tarefa fácil.

Um lançamento da empresa veio para mudar tudo isso em 2005. O Nokia 7200 nasce como um celular histórico. Ele foi o primeiro celular da Nokia com formato concha (ou flip, se assim quiser chamar) e o seu começo não poderia ser melhor, sendo vendido como peça de luxo em butiques da Itália e França.

O que mais chamava atenção no aparelho além de seu formato compacto, era sua carcaça que tinha peças removíveis, e era feito de tecido (isso mesmo, tecido!) Você podia trocar essas capas com muita facilidade.

Apesar de ser pequeno, o 7200 fazia muito volume no bolso, são 26 milímetros de espessura. Mas cabe na mão com perfeição. Seu desenho é bem robusto, tem o sistema de abertura para fora e os parafusos a mostra passava a impressão de resistência.

Uma coisa interessante é que o sistema de flip desse aparelho balança bastante. Nas laterais estava apenas o botão de volume e o de ligar e desligar o aparelho.

As especificações do 7200 não impressionam muito nos dias de hoje, mas ele oferecia tudo que um celular de 2005 poderia oferecer. Já vinha com tela colorida (65mil cores), e uma câmera VGA que tirava fotos e fazia vídeos.

Essa câmera também tirava fotos no modo retrato e tinha modo noturno, que ajudava bastante em ambientes escuros, mas curiosamente ainda não tinha um flash. Além do básico de qualquer aparelho como rádio FM, calculadora, jogos, agenda e despertador, ele também possui infravermelho.

Jogos também vêm instalados e você poderia instalar mais, usando sua operadora ou o software Nokia PC Suite. Nada de abusar disso, ele tinha apenas 4 megabytes de memória para dividir entre todas essas funções e cartão de memória ainda não era popular em celulares dessa época.

Se você gostou do Nokia 7200 saiba que ele não era nada barato, ainda mais por se tratar de uma peça de luxo. Em 2005/2006 que foi o ano de sua passagem por aqui, ele chegou a custar cerca de R$ 1.399 . Este é sem dúvida um aparelho ímpar, cheio de personalidade. Foi amado ou odiado: sem meio termo.

Sobre Kennedy Muniz