Pesquisadores de Stanford desenvolvem uma bateria á prova de fogo

À medida que a tecnologia avança, os dispositivos móveis se tornam cada vez mais potentes. Junto com esse aumento de potência, também vem uma necessidade de baterias de maior capacidade para sustentar suficientemente ás necessidades de seus usuários.

No entanto, nos últimos dois anos, houve um número crescente de relatórios sobre smartphones ou outros dispositivos móveis que acabaram pegando fogo durante o carregamento, ou pior ainda, enquanto seus proprietários utilizavam o aparelho. Exemplo disso foi o Samsung Galaxy Note 7, que chegou ao ponto de ter que ser descontinuado por sua fabricante.

Dito isso, “há males que vem para o bem”, após o fiasco do Note 7, as grandes empresas de tecnologia e pesquisadores estão trabalhando para prevenir casos como esse no futuro.

Os pesquisadores da Universidade de Stanford desenvolveram uma bateria de iões de lítio á prova de fogo. O conceito dessa tecnologia não é algo novo, mas as tentativas anteriores resultaram em baterias com desempenho significativamente reduzido. Este, por outro lado, funciona bem e entrega um desempenho aceitável.

A nova bateria emprega um separador de fibra de plástico que mantém os eléctrodos positivos e negativos distantes um do outro, através de um composto chamado “fosfato de trifenilo”, que tem propriedades de retardamento de chamas. Se a bateria atingir uma temperatura acima de 150 °C, um separador libera o fosfato impedindo que a bateria entre em combustão.

A equipe de pesquisa da universidade afirma que este método pode extinguir todas as chamas dentro de 0,4 segundos, algo realmente impressionante.

Via

Sobre Uanderson Conceição

Chief executive officer (CEO) na empresa Meu-Smartphone. Youtuber, adora praticar Downhill Mountain Bike, entusiasta da natureza e acredita soberanamente em Deus.