Polêmica: Notas baixas em teste de câmera deixa iPhone 11 Pro atrás da Xiaomi e Huawei

Cada vez mais presentes entre as avaliações de novos dispositivos, testes de Benchmark costumam dividir opiniões entre os consumidores, independente de qual seja o ponto observado. Contudo, ainda que existam aqueles que defendem a utilidade de parametrização dos testes programados, grande parte dos consumidores acreditam que estes não refletem a realidade do dia a dia.

Destas críticas não escapam nem mesmo organizações conceituadas, como a DxOMark, que recebeu avaliações negativas em um dos seus mais recentes teste de câmeras. O aparelho avaliado foi o já badalado iPhone 11 Pro Max, que recebeu uma nota extremamente questionada pelos internautas.

Sendo apontado como uma das mais potentes câmeras do ano, o desempenho do smartphone no benchmark surpreendeu ao apresentar valores inferiores a aparelhos concorrentes lançados anteriormente pela Xiaomi e Huawei, por exemplo.

Analisando os 117 pontos alcançados ao total pelo iPhone, pode-se apontar que o grande declínio foi gerado pela avaliação sobre a gravação de vídeos, uma vez que ficou abaixo do esperado com apenas 102 pontos, diferentemente da captura de imagens que alcançou notáveis 124 pontos.

Em resposta ao teste duvidoso, analistas do portal iMore questionaram a relevância dos testes realizados pela DxOMark na avaliação da qualidade de uma câmera. Para Stephen Warwick e Rene Ritchie, os métodos da companhia tornam o teste questionável ou até irrelevante.

“Embora o teste da câmera seja subjetivo, o DxOMark também foi criticado pela natureza aparentemente arbitrária e mercurial de sua escala. Portanto, escolha os números que eles oferecem, se o iPhone é maior ou menor em qualquer quinta-feira, com um grão de sal do tamanho de um saco de dinheiro. Estamos cobrindo apenas porque muitos outros decidiram, de alguma forma, cobri-lo, mas sem o contexto necessário para tomar uma decisão informada sobre quanto peso dar a eles… se houver.”

Em suas críticas, os analistas ainda pontuaram a curiosa consultoria e classificação realizada pela companhia para as fabricantes das quais ela mesma analisa, gerando duvidas sobre a imparcialidade dos resultados. Até o momento, a DxOMark não respondeu aos pontos indicados, assim como não se pronunciou sobre as críticas ao teste do dispositivo da Apple.

Comentário pessoal de um leitor

Sobre os telefones em questão, não tenho o que acrescentar pois não vi as fotos. Em relação à DxOMark, não tenho muita confiança. Como diz a matéria, ela não só avalia mas também vende consultoria para os fabricantes. Além disso, gosta de vender seu teste como puramente quantitativo. Parece que é verdade mas sugere os leitores distraídos que o teste é objetivo, o que, evidentemente, é falso. Mesmo um teste quantitativo é subjetivo pois alguém decide quais são os testes e suas ponderações. Prefiro análises explicitamente subjetivas por fotógrafos experientes.

Via.

Sobre André Portella

Estudante de TI, viciado em música, adorador de tecnologia e games.