Vídeo análise: Minha experiência com o Moto G4 Plus

A nova linha Moto G chega em duas versões o G4 e o G4 Plus, estamos analisando a versão G4 Plus. Esta linha de smartphones é bem conhecida pela sua relação custo-benefício, oferecendo um smartphones intermediário de configurações convidativas, especialmente pelo fato de rodar Android puro à um preço mais acessível. Assim, esses telefones não estão no topo dos melhores hardwares, mas ainda cobre um nível adequado para garantir uma boa experiência ao usuário.

Software

A versão do sistema que roda sob esse aparelho é praticamente puro sendo a versão 6.0 e o fato do software ter pouquíssimas modificações, faz com que o Moto G4 Plus tenha, garantidas de receber duas grandes atualizações que seria o Android N e o Android O, nota-se que nem mesmo há uma galeria de fotos, adicionado apenas o Google Fotos. As únicas alterações são a câmera, moto ações/gestos e o widget da tela inicial.

O que melhorou a minha experiência foi instalar o Nova launcher para dar uma personalizada a mais na interface, pois achei muito seco e sem vida com o launcher nativo que tem aquele fundo branco. Isso fez também melhorar a minha experiência com aceleração das animações em escala, a escala de transição e a escala de duração da animação.

Construção

Moto G4

O alto-falante do Moto G4 Plus está localizado no speaker para ligações. A fabricante resolveu investir na qualidade de áudio stereo adicionando dois alto-falantes ao dispositivo em 2014. Aqui, apesar de uma boa qualidade de som, o design foi realmente comprometido nesta geração, pois não há mais uma caixa de som no topo e outra na parte interior, até porque na parte interior agora fica o sensor de digitais. 

Não tem como se deparar com o aparelho e não notar o quadrado na parte inferior frontal que ocupa o sensor de impressão digital, ele não é uma tecla, apenas funciona para o sensor. Um ponto super positivo aliás, no qual o sensor é incrivelmente eficiente capaz de registrar até 5 tipo de impressões. Não há nenhuma necessidade de espera para desbloquear ele simplesmente se ativa ao tocar. E é incrível como você se acostuma a utilizar aparelhos com sensores de impressão digital, você simplesmente não vai querer ter outro celular que não tenha esta funcionalidade.

Se virarmos o aparelho vemos na parte traseira o nada elegante (opinião minha) o sensor da câmera de 16MP com flash LED e auto focagem a laser. Por que digo que não é nada elegante? Porque se compararmos com versões anteriores essa câmera saltada para fora não me parece que foi bem desenhada, eu realmente achei um pouco estranho e nada moderno o desenho da câmera.

Na parte superior há uma entrada para fone de ouvido padrão e suas bordas metalizadas onde estão os botões de controle volume e botão liga/desliga que nesse último não ficou bem localizado, há um esforço para alcança-lo.

A tampa traseira que inclusive vem em duas unidades no pacote de compra, tem uma textura que muitos falam que há uma sensação de que o aparelho está sujo, mas contrariando esses comentários eu particularmente gostei da textura diferenciada.

Tela

O seu display foi aumentado se compararmos com as outras versões que era de 5”, tanto a versão tradicional quanto o Plus possuem uma tela de 5,5 polegadas. No entanto, a proporção da tela-ao-corpo parece ser melhor nessa reiteração da linha, e enquanto a sensação de pegada sólida do dispositivo tem crescido, não foi algo tão dramático para um aumento de 0,5 polegadas, sua construção o deixa tê-lo deliciosamente em suas mãos. Ele definitivamente pode ser descrito como um smartphone compacto.

A exibição das imagens aqui são mais nítidas para a resolução Full HD a um display IPS LCD e uma densidade de pixels por polegada de 401 – mais do que o suficiente para impedir que vejamos pixels sob a tela, e um feito bastante impressionante, considerando a classe do telefone. Eles não são certificados como à prova de água, mas este painel frontal está protegido contra respingos, ou seja, a típica tecnologia repelente à água da Motorola, além da proteção anti-risco Gorilla Glass 3.

Performance

Finalmente na quarta geração a fabricante decidiu por dar um passo adiante. Com um processador de oito núcleos com o Snapdragon 617, superior em desempenho ao do Moto X Play, por exemplo. Ao contrário do erro do passado, quando a empresa ainda ofereceu um dispositivo com 1GB de memória RAM e apenas 8Gb de armazenamento interno, neste ano temos versões que levam no mínimo 2GB de RAM com 16GB internos.

Em relação à performance do software, posso dizer que é rápido, fluído e, depois de vários dias testando smartphones com o Android 5.1 nas últimas semanas – pela primeira vez não tive um erro sequer ao executar qualquer comando ou aplicativo no Moto G4 Plus. Executar aplicativos, usar o multitarefas, carregar páginas, navegar na internet ou atualizar meus canais nas redes sociais e até mesmo jogar Contract Killer Zombies 2, tudo teve uma boa resposta do sistema. Não preciso falar mais nada, esse é definitivamente um ótimo custo benefício nesse quesito.

Enquanto a versão tradicional vem com 16 GB, expansível através de microSD, e 2 GB de RAM. A versão Plus que estamos analisando conta com 32GB expansível juntamente  com 2 GB de RAM, mas tem uma variação com 64 GB de armazenamento, e 3 GB de RAM que não vai chegar ao Brasil, os motivos acho que vocês já devem saber. Tempos de crise no país.

Câmera

[gallery columns="2" size="full" ids="35066,35067,35068,35065"]

Diferente do G4, com o G4 Plus, a empresa está entregando uma câmera com mais megapixel. Aqui temos um sensor de 16 MP contra 13MP do G4, feita pela OmniVision, chamada PureCel Plus. A Lenovorola mencionou como “o melhor sensor da câmera em sua classe”. Mas vamos aos testes práticos.

A câmera é equipada com mais pixels e maior abertura, é interessante destacar a forma com que você pode facilmente ativar a câmera com gesto, chacoalhando o smartphone para um lado e para o outro você irá rapidamente ativar a câmera. Também há um outro destaque que difere da versão tradicional que é o autofoco laser e autofoco com detecção de fase, no qual é utilizada para ajudar com a focagem durante as capturas.

Temos mais destaques aqui para os expert no assunto, que é o seu “Modo Manual” atualizado e melhorado chamado de “Pro Mode”, esta característica lhe dará acesso aos controles, tais como ISO, exposição da lente, macro, foco e obturador. Aliás, esse modo manual é uma invenção da Nokia que foi implementada em seus Lumias com Windows Phone.

No final das contas a qualidade das fotografias não surpreendem, uma vez que o sensor tende a capturar imagens saturadas especialmente em pouca luz, fazendo com que tenhamos a impressão de que as cores sejam exageradas, o que deixa a imagem com uma impressão de falsa. Porém, em meus testes ele superou aparelhos como o top de linha Xperia Z3 ao capturar imagens em ambientes fechados e se considerarmos que estamos falando de um intermediário, ele definitivamente também se sai bem no quesito câmera. Ao pressionar e segurar o botão de volume você poderá capturar diversas fotos em poucos segundos, esse é outro detalhe bem interessante.

Já na frontal temos uma câmera grande angular de 5MP, nada impressionante, porém cumpre bem o seu papel fazendo fotos relativamente boas com cores vivas se levarmos em consideração que estamos falando de uma câmera frontal em um dispositivo intermediário da vida.

Áudio

A qualidade do alto-falante do Moto G4 não é ruim, mas nada comparado as versões anteriores que possuía duas caixas de som.

Aqui o som saem com uma boa qualidade, a posição do alto falante na área superior do telefone ficou bem localizada, pois não haverá problema na hora de colocarmos o telefone na horizontal enquanto executamos alguns jogos.

Bateria

Moto G4 Plus

Quanto maior o tamanho do aparelho certamente a bateria terá uma maior capacidade. Portanto, temos uma célula de 3000 mAh que são 500mA a mais de capacidade se comparada a versões anteriores da linha G. Mas, hoje em dia, o que é uma grande bateria sem uma pitada de carregamento rápido?

O Moto G4 e Moto G4 Plus tem suporte ao TurboPower de carregamento, que a Motonovo diz que teremos uma boa carga nos primeiros 15 minutos enquanto o aparelho estiver conectado a ele. Porém, isso só vale para aquela carga inicial quando o aparelho está quase descarregando e contanto que você esteja usando o carregador original que vem no aparelho. O consumo é sempre algo relativo, não há uma regra para o uso do aparelho. Mas ainda assim, é uma boa capacidade que promete duração intensa durante o dia.

Sobre Uanderson Conceição

Chief executive officer (CEO) na empresa Meu-Smartphone. Youtuber, adora praticar Downhill Mountain Bike, entusiasta da natureza e acredita soberanamente em Deus.