Você sabe o que é “Dirty Flash” ou “Clean Flash”? Aprenda a atualizar seu celular com Custom ROM

Você tem root em seu smartphone? caso a resposta seja sim, provavelmente você está entre um grupo seleto de usuários avançados do sistema desenvolvido pela Google. A possibilidade de obter um acesso de super usuário no seu dispositivo para efetuar grandes modificações ou até mesmo trocar a ROM entregue pela sua fabricante por uma alternativa mais completa é para alguns consumidores, o maior ponto diferencial do Android.

Contudo, sendo soluções produzidas por desenvolvedores independentes, essas versões modificadas do robozinho podem conter certos bugs, geralmente arrumados no lançamento de uma nova compilação. Isso gera uma certa duvida entre alguns usuários, uma vez que na maioria dos casos, atualizações via OTA não são viáveis. Logo, devo fazer o flash completo de uma nova compilação e configurar tudo novamente a cada atualização disponível?

A resposta é não, para a maioria dos casos. Grande parte dos desenvolvedores projetam suas ROMs para aceitarem um processo mais simples de instalação, conhecidos popularmente como “Dirty Flash“. Diferentemente do convencional Clean Flash, onde o usuário literalmente apaga todo o sistema anterior antes de inserir um novo, o Dirty Flash permite que o usuário exclua apenas as informações necessárias, sobrescrevendo o sistema com uma nova versão dos arquivos e mantendo os dados pessoais.

O processo é mais simples do que esperado, uma vez que no processo habitual de flash da ROM atualizada no menu do seu recovery, basta que o usuário atente-se a não realizar os todos os wipes, limitando-se há apenas os necessários. Por exemplo, usando o TWRP:

  • Será necessário apenas fazer o wipe nas opções Clear cache e Clear Dalvik Cache, evitando fazer o mesmo nas opções System e Data.
  • Após isso, deve se fazer o flash da compilação, selecionando a opção “Clear cache/Dalvik” no final do processo.
  • Em seguida, é recomendado que seja feito o reboot da sua Custom Recovery antes de fazer a instalação do apk de administração do root, seja ela o SuperSU ou o Magisk.
  • Por fim, faça o reboot para o sistema
É possível observar o processo nesse vídeo

Mesmo sendo um processo simples, é importante destacar alguns pontos:

  • Nem todas as ROMs suportam o Dirty Flash. É sempre bom verificar com o desenvolvedor se o processo foi testado.
  • Caso você esteja transitando de uma ROM para outra totalmente diferente (da Pixel Experience para a LineageOS, por exemplo) o Dirty Flash não funcionará. O processo só aceita novas compilações de uma mesma ROM.
  • Na maioria dos casos, é recomendável que você desabilite todas as senhas e proteções por biometria antes de realizar o processo.
  • Por fim, caso algo ocorra diferente do planejado, é recomendável que o usuário efetue um Clean Flash sobre a ROM, o que resolverá a falha, mas apagará os seus dados e configurações. Por isso, sempre faça um Backup via Titanium ou Nandroid.

Sobre André Portella

Estudante de TI, viciado em música, adorador de tecnologia e games.